quarta-feira, 26 de outubro de 2016

César Pires reafirma crítica ao projeto do governo que cria a Uemasul Aurina Carneiro


O deputado César Pires (PEN) voltou a criticar, na sessão desta terça-feira (25), o projeto de lei do Poder Executivo que propõe a criação da Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão (Uemasul). De acordo com o projeto do governo, a instituição terá sede em Imperatriz, e servirá para reforçar o programa de regionalização do Ensino Superior no estado.
Em seu pronunciamento, César Pires foi enfático ao apontar falhas no projeto do Executivo e criticou, também, o esforço de deputados da base do governo em tentar aprovar a matéria, de forma açodada, no Plenário da Casa. 

“Não faz sentido esse atropelamento todo para construir uma lei. Não há como negar que não haverá tempo suficiente para a regularização desta pretendida nova universidade, dos seus cursos à luz das exigências resolutivas. Eles querem que comecem a universidade a partir do dia 1º janeiro. Como que vai começar assim, se a própria estrutura acadêmica vai precisar ter Pró-Reitoria de Graduação, de Administração, vai ter Pró-Reitoria de Planejamento, Pró-Reitoria Administrativa e de Finanças?”, questionou. 
Em seu discurso, para reforçar seu ponto de vista, o deputado César Pires, com a autoridade de quem já foi reitor da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), destacou a tradição histórica do Parlamento maranhense, na defesa de princípios e valores fundamentais proferidos por grandes tribunos, entre os quais Coelho Neto e Sotero dos Reis, dentre outros consagrados parlamentares que deixaram seu nome na História. 
“Agora, querem façamos nascer a Uemasul sem um conceito academicista que eu digo a V. Ex.ª que aqui não está tendo. É cruel, Presidente, para mim, poder ver a força bruta ser utilizada para parar aquilo que ainda pode-se dizer de resto da intelectualidade deste Parlamento. Que Deus perdoe o desespero. Que Deus compreenda aquilo que eu disse. Que Deus compreenda que um dia por aqui passou Sotero dos Reis, Coelho Neto e muito outros, cujas histórias estão sendo negadas”, discursou César Pires. 
“Se seus corpos, se ainda existirem cinzas ou resquícios de alguma coisa que um dia foi material humano, devem estar flutuando dentro de seus caixões, se ainda existem, mas dizendo assim: Deus, o César está certo. Perdoe a insanidade de muitos”, declarou o deputado, ao encerrar seu pronunciamento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário

Diniz