quarta-feira, 18 de março de 2015

Eliziane pede quebra de sigilo de empreiteiras suspeitas de subornar para obter contrato


As construtoras Serveng Civilsan e Fidens Engenharia, investigadas por suposto pagamento de propina para conseguir contratos para construção da refinaria Premium I (Maranhão), poderão ter seus dados bancários, fiscal e telefônicos acessados pela CPI da Petrobras. Pedido neste sentido foi protocolado, nesta semana, pela deputada Eliziane Gama (PPS-MA), que é integrante da comissão parlamentar.


Depoimento dado pelo doleiro Alberto Yousseff revela o pagamento de propina pelas duas empreiteiras em contrato de obra de terraplanagem da refinaria da Petrobras que seria erguida em Bacabeira, região metropolitana de São Luís.


A Serveng-Civilsan e a Fidens foram contratadas para executar a obra que custaria R$ 20 bilhões. A unidade foi projetada para operar como a maior refinaria da Petrobrás, consumiu R$ 2 bilhões em projetos e em terraplanagem, depois foi cancelada em janeiro deste ano. Yousseff disse na delação que a Serveng teriam repassado, entre os anos de 2010 e 2011, 1% do valor do contrato em propinas.


“Suspeita-se que, em grande parte, esses recursos tenham sido desviados da Petrobras por meio do superfaturamento de contratos firmados entre a estatal e grandes empreiteiras. Entre as planilhas apreendidas juntamente com os pertences de Paulo Roberto Costa, bem como na sua delação, a Serveng é citada como tendo pago propina para ganhar a execução da obra da refinaria Premium I, no Maranhão”, sustenta a deputada Eliziane, no requerimento apresentado na CPI.


Para a deputada maranhense, permitir a transferência dos dados bancários, telefônico e fiscal pode permitir à comissão parlamentar mapear os caminhos percorridos pelo dinheiro desviado da Petrobras.

Ainda não há data definida para que o pedido de Eliziane seja votado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário

Diniz